Entrevista a D ª Laura Tormo, sobre o suicídio

Entrevista à Sra. Laura Tormo que compartilha sua experiência de cuidados psicológicos em Suidicio.




-Por que é importante falar de suicídio?

O suicídio é um problema que pode ser evitado não só por psicólogos ou médicos, mas também por professores, jornalistas, sacerdotes e profissionais que não têm muito a ver com a saúde mental. Alguns deles desconhecem o potencial do seu trabalho nesta matéria; Outros estão cientes disso, mas estão um pouco perdidos. Algo semelhante acontece fora do ambiente de trabalho.
E se houvesse alguém à nossa volta com a intenção de acabar os seus dias? Nem todo mundo sabe como agir nesses casos. Além de estar consciente e informado, é necessário lidar abertamente com essa questão para combater o estigma associado ao suicídio e incentivar as pessoas com pensamentos suicidas a se expressarem sem medo de serem julgados. O que não é falado, permanece escondido e corre o risco de não ser detectado.


Vídeo recomendado: suicídio. Dr. Sergio Llanes, psicólogo

-O que é verdade sobre o perigo de falar de suicídio por meio de
Comunicação?

Há uma parte da verdade e outra de tabu. Os meios de comunicação podem influenciar a prevenção do suicídio positivo e negativo. É aconselhável não relatar o método utilizado em um suicídio ou entrar em muitos detalhes para evitar um possível aumento nos suicídios produzidos por esse método, como tem sido visto em vários casos de pessoas famosas.
Isto não quer dizer que é melhor não falar de suicídio. De fato, existem evidências que apontam para um efeito protetor desses artigos que apresentam indivíduos que enfrentam situações adversas sem recorrer ao comportamento suicida.

-Quais são os primeiros sintomas a considerar em relação ao suicídio?

Entre os sinais de alarme são as alusões à morte ou ao suicídio, comentários que indicam desesperança como "não vejo saída", isolamento, aumento do consumo de álcool ou drogas ou mudanças bruscas de humor. Enfim, não é um assunto que tem sido estudado muito.

-Como deve a família e os amigos reagir aos primeiros sintomas de
Suicídio?

Se uma pessoa suspeitar que alguém em seu ambiente está pensando em suicídio, a primeira coisa a fazer é não manter a dúvida e perguntar, mesmo que lhe dê escrádios. Não é prejudicial.
Não importa se você perguntar diretamente sobre pensamentos suicidas ou se você se dar um rodeio. Sim, é melhor não fazer a pergunta com uma negação do tipo "você não está pensando em suicídio?" para não induzir a dar uma resposta negativa.
Se as suspeitas são confirmadas, devemos continuar a falar com a pessoa com calma, para que ele possa desabafar e avaliar sua situação antes de tomar quaisquer medidas, tentando não julgar ou dar falsas esperanças do estilo "certeza de ser resolvido." Se a pessoa não só pensa em suicídio, mas tem um plano e está procurando os meios, se ele ameaça fazê-lo ou se acredita-se que o perigo é iminente, devemos notificar o 112 ou acompanhá-lo para o ER e não deixá-lo sozinho a qualquer momento. Se o risco não for tão alto, medidas podem ser tomadas para limitar o acesso a meios potencialmente prejudiciais, tais como pílulas ou cordas, e para exortar um especialista a participar.


-Será que a pessoa geralmente pedir ajuda sobre o suicídio ou é muitas vezes um parente que leva você para
Um especialista?

Infelizmente, este tipo de pessoas tem dificuldade em ir a um especialista. É possível que eles usem amigos ou familiares, e que eles são os que procuram ajuda, ou que são silenciados e que o problema passa despercebido para as pessoas do seu ambiente. É por isso que você precisa tomar cuidado com os sinais de alerta.

-Como um especialista deve intervir em face do suicídio?

É difícil estabelecer orientações gerais para a ação. Não é o mesmo que dar uma primeira resposta em emergências para resolver este problema em uma consulta ou como conselheiro escolar. Neste sentido, a OMS tem diretrizes para diferentes profissionais. Para os psicólogos clínicos, uma leitura recomendada é o protocolo para a detecção e manejo inicial da ideação suicida desenvolvida pelo centro de psicologia aplicada da Universidade Autônoma de Madri:
https://www.uam.es/centros/psicologia/paginas/cpa/paginas/doc/documentacion/rincon/protocolo_ideacion_suicida.pdf

-Quanto tempo demora para ter uma intervenção com uma pessoa para suicídio?

Depende das circunstâncias da pessoa, da complexidade de seus problemas ou do tipo de intervenção que é feito. Por exemplo, no campo da psicologia clínica, as chamadas terapias cognitivo-comportamentais, que podem oscilar entre 15 e 20 sessões por semana de cerca de uma hora, são muito pesadas.




A partir daqui, agradeço à Sra. Laura Tormo por ter abordado a abordagem suicida.

error: Content is protected !!